Notícias de Arquitetura e Construção

Qui, 17 de Novembro de 2011 16:38

Por Rose Aielo Blanco 


Praças, jardins e parques arborizados... parece um sonho nos grandes centros urbanos mas, apesar disso, não é um sonho impossível. O estudo e planejamento de projetos de arborização urbana utilizando árvores ornamentais pode ajudar a viabilizar o equilíbrio ecológico nas cidades. Quando bem adaptadas ao espaço e às condições climáticas do local, muitas árvores ornamentais podem ser utilizadas.


Eis alguns exemplos: 

Acacia mimosa (Acacia podalyriaefolia) - Apresenta rápido crescimento, produz cachos de flores amarelas e perfumadas durante o outono e inverno. As folhas são pilosas, pequenas e de formato arredondado, com tonalidade verde-prateado. Desenvolve-se bem sob sol pleno.(foto abaixo )



Bordo (Acer platanoides) - De grande porte e rápido crescimento, possui folhas lobuladas, que se colorem de vermelho ou amarelo durante o outono. As flores são amarelas e surgem na primavera. Adapta-se melhor aos climas de altitude, especialmente na região Sul.(foto abaixo )



Ailanto ou árvore-do-paraíso (Ailanthus altissima) - Apresenta copa ovalada e elegante, com folhas longas e acinzentadas. As árvores fêmeas produzem frutinhos vermelhos no outono. Adapta-se melhor às regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.(foto abaixo )



Amérstia ou rainha-das-árvores (Amherstia nobilis) - De copa majestosa, produz folhas pinadas e pendentes, que apresentam-se rosadas quando novas. As flores vermelhas, com mesclas brancas, assemelham-se a orquídeas e aparecem em cachos durante a primavera. Desenvolve-se bem à meia-sombra ou sol pleno.(foto abaixo)



Carambola (Averrhoa carambola) - Árvore tropical que apresenta crescimento lento. Produz frutos amarelos e carnudos no verão. Indicadas para a formação de sombras.Floresce o ano todo.(foto abaixo)



Pata-de-vaca (Bauhinia sp.) - Pelo seu pequeno porte, é especialmente indicada na arborização de ruas. Suas flores, que variam do branco ao vinho, lembram pequenas orquídeas.(foto abaixo)



Bétula (Betula) - Árvore de copa aberta, com folhas que se tornam amarelas no outono. As flores aparecem no início da primavera. Na maturidade, apresenta a parte lenhosa do caule bem esbranquiçada, tornando-se muito decorativa. Adapta-se melhor aos climas de altitude.(foto abaixo)



Pau-de-ferro ou pau-ferro (Caesalpinia ferrea var. parviflora) - Apresenta tronco de aspecto decorativo, por ser envolvido por uma fina casca. Produz cachos terminais, com pequenas flores amarelas, durante o verão. No final do inverno, produz frutos achatados e alongados. Desenvolve-se bem sob sol pleno ou à meia-sombra.(foto abaixo)



Sibipiruna (Caesalpinia peltophoroides) - Árvore de copa densa, arredondada e irregular. Produz folhas compostas, leves e brilhantes. As flores, amarelas e delicadas, surgem em cachos eretos.(foto abaixo)



Cássia-imperial, chuva-de-ouro (Cassia fistula) - De porte médio, apresenta folhagem leve, que cai durante o inverno ou períodos secos. As flores, de intenso amarelo-dourado, surgem em longos e elegantes cachos pendentes. Produz frutos cilíndricos. Desenvolve-se melhor sob sol pleno.(foto abaixo)

Qui, 17 de Novembro de 2011 16:37

Automação otimiza gerenciamento residencial

A Siemens desenvolveu a técnica de automação do instabus®, o qual permite otimizar o gerenciamento residencial com ferramentas de controle.

Iluminação, temperatura e luminosidade de ambiente, agregando ainda funções de equipamentos de segurança, hometheater e de todos os eletrodomésticos. Tudo isso ativado por controle-remoto, voz, internet ou telefone. 

Touch Screen, novo produto do sistema instabus® da Siemens, é uma central de comando multifuncional da residência, servindo tanto para dimerizar a luz do quarto como para emitir um sinal sonoro que avisa se o alarme foi acionado durante a madrugada. Trata-se de uma mini-tela de TV que pode ser instalada em qualquer lugar, inclusive na cabeceira da cama e possui funções como controlar alarmes, luzes e equipamentos eletrônicos. Recebe, por exemplo, informações sobre status da temperatura interna e externa, programa ações como acender ou apagar as luzes, ligar o ar condicionado, alarme ou outros sistemas de segurança, em horários pré-determinados, inclusive simulando a presença dentro da residência na ausência de seus proprietários. 

Instalações inteligentes O Instabus – EIB é uma técnica para instalações elétricas inteligentes. Essa solução permite controlar e monitorar todas as tarefas e procedimentos de uma instalação predial. Além de luminárias e persianas, o sistema permite o controle de temperatura, proteção contra incêndio e terceiros (detectores de movimento e controladores de acesso). Com o Instabus também é possível controlar a temperatura e a luminosidade de um ambiente. O sistema pode ainda ser programado em função das condições ambientais, como o aproveitamento da luminosidade externa a cada período do dia ou a detecção de pessoas no local. 

Versão wireless do sistema TMDS disponível no Brasil 

A subsidiária brasileira é a primeira no mundo a desenvolver a tecnologia wireless doTransformer Monitoring and Diagnostic System-TMDS, sistema de diagnóstico para transformadores. 

A divisão de Transmissão e Distribuição de Energia da Siemens no Brasil traz para o mercado a versão wireless de seu sistema TMDS 2000. Desenvolvido por engenheiros brasileiros, o novo sistema conta com tecnologia wireless de coleta e transmissão de dados da subestação, alimentando o avançado sistema de diagnóstico do estado operativo de transformadores e reatores. O sistema é capaz de detectar até falhas incipientes, dentro de critérios pré-estabelecidos. Com a interface wireless, os usuários do sistema não precisam mais planejar e executar complexas obras civis e de cablagem adicional em subestações de alta tensão. Versões anteriores do sistema usam comunicação via pares trançados ou fibras óticas. “A introdução da tecnologia wireless traz uma série de vantagens para o usuário, especialmente nos quesitos velocidade de instalação e custo”, afirma Arthur Lavieri, diretor da divisão de Transformadores da Siemens no Brasil. 

Os sistemas TMDS 2000 (monitoramento de transformadores) e TMDS 3000 (sistema de monitoramento para subestações descentralizadas) complementam a gama de produtos e serviços da empresa para o mercado de transformadores, que vai desde a fabricação de grandes equipamentos de 800 mil Volts até serviços de reparo, repotencialização e consultoria de análise de risco e estado operativo. “Com a aplicação dessa tecnologia, damos mais um passo no nosso compromisso de disponibilizar para o mercado um portfólio completo de produtos e soluções que garantam o mais importante: a confiabilidade do sistema de transformação de energia”, conclui Lavieri. 

Sobre a unidade Energia da Siemens no Brasil 

Há 100 anos, a Siemens é uma das empresas líderes do mercado eletroeletrônico brasileiro, com atividades nos segmentos de negócios Information and Communications, Automation and Control, Medical, Power, Transportation e Lighting. O grupo no Brasil possui mais de 10 mil colaboradores e é composto por 15 fábricas. No ano fiscal encerrado em outubro de 2005, a unidade de Energia faturou R$ R$ 793,1 milhões e obteve R$ 1,1 bilhão em entrada de pedidos.

Qui, 17 de Novembro de 2011 16:36

 

Por Newton Figueiredo

O consumidor ainda encontra dificuldades na identificação de produtos sustentáveis, mesmo já tendo demonstrado disposição de pagar até mais por tais produtos. Conheça algumas dicas sobre como o consumidor pode analisar a sustentabilidade na hora de decisão de compra.

1. Prefira produtos produzidos em sua região: de forma prática, primeiramente, o consumidor deve-se colocar na posição de São Tomé: ver para crer. Comece pela etiqueta que informa a origem do produto e verifique sua procedência. Prefira os produzidos em sua região. Evite comprar similares fabricados em outros países. Ao comprar produtos de outros países, reduz-se o recolhimento de impostos municipais e estimula-se o desemprego e a falta de serviços e infraestrutura pública.

2. Confira a composição do produto: verifique se o que está sendo dito na frente do produto realmente consta em sua composição e você poderá ter interessantes surpresas. Se, por exemplo, estiver comprando um pão-de-queijo, confira na sua composição se ele realmente tem queijo.

3. O que importa é o conteúdo, não a embalagem: não se deixe levar pela embalagem, se é reciclada ou não. Isso, neste momento de análise, não é importante. O que é importante é saber se o produto é agressivo à sua saúde e à de sua família. Uma prática que está se tornando comum é reduzir embalagens e aumentar o porcentual reciclado para estimular a venda desses produtos como “mais sustentáveis”. Cuidado! Nessa lista existem produtos nada ecologicamente amigáveis e outros agressivos à saúde humana.

4. Selos Verdes são uma boa indicação: uma maneira de ajudar a identificação de produtos sustentáveis é por meio dos chamados Selos Verdes, como o selo Procel para eletrodomésticos e eletrônicos, o FSC e CERFLOR para madeiras e papéis e o SustentaX para produtos e serviços sustentáveis. Na área de orgânicos existem o IBD e EcoCert, dentre outros. Os selos são uma forma de mostrar ao mercado que passaram por análises rigorosas para a sua obtenção.

5. Fique atento à “picaretagem verde”: identifique as estratégias usadas para passar por sustentáveis, produtos que não são:

a) Selos emitidos pelos próprios fabricantes;

b) Termos genéricos também são muito usados como 100% natural, 100% ecológico, eco, amigo da natureza (eco-friendly) e variações do tipo;

c) Informações sem comprovação imediata ou termos científicos. Como, por exemplo, informar que um produto, como sabão em pó, pode reduzir o consumo de água; ou então um amaciante economizar energia;

d) Informações redundantes, como testes e dados obrigatórios, como detergentes que colocam “testados dermatológicamente” ou azeites com zero de colesterol;
e) Excesso de imagens da natureza: reparem se há muito verde ou imagens de animais;

f) Falar que o produto é “neutralizado” em carbono. Desconfie da simples neutralização que não torna o produto sustentável. A neutralização é válida após a revisão e efetiva redução dos impactos ambientais da cadeia produtiva. É o final e não o começo;

g) Produtos concentrados. Só porque foi retirada a água do produto não o torna “verde”. É importante que ele não faça mal à saúde;

h) “Sem cheiro”. O importante é o fabricante demonstrar que o produto apresenta baixa toxidade, por critério reconhecido.

Quando produtos não apresentam selos de sustentabilidade, o consumidor pode procurar pelos cinco atributos essenciais de sustentabilidade:

1. Salubridade: evite produtos com odores (normalmente esses odores decorrem de componentes orgânicos voláteis que podem fazer mal à saúde).

2. Qualidade: procure por produtos com qualidade comprovada. Nem todas as tintas são iguais, por exemplo. Várias não têm teste de aderência e, a primeira vez que você for fazer uma limpeza, pode sair na esponja.

3. Responsabilidade social: questione a procedência. Por exemplo, se for comprar uma areia em uma loja de construção pergunte se vem de uma empresa confiável, sem trabalho infantil, escravo…

4. Responsabilidade ambiental: questione a procedência. Por exemplo, ao comprar objetos de madeira pergunte sobre a legalidade.

5. Comunicação responsável: Procure por marcas nas quais você identifique ética e genuinidade na comunicação.

Qui, 17 de Novembro de 2011 16:35

 

Por Eng. Civil Eugênio Pacelli de B. Silveira

Um dos principais questionamentos pelos quais se depara quem quer construir seu imóvel é a escolha do terreno. Nem sempre são levados em consideração itens importantes, que depois poderão ser motivos de insatisfação para o novo proprietário. Veja algumas considerações importantes.

Facilidade de acesso -- O lote deve ficar em local que tenha vias de acesso que possibilitem chegar ao mesmo em qualquer clima e com vários tipos de veículo.

• Redes públicas -- A existência no local de rede pública de água, energia e esgoto são fatores que já representam economia inicial na construção da obra, pois é preciso água para compor concreto, argamassas e utilizá-la no banheiro dos operários durante a obra. Sua falta implicaria na construção de poço, comum ou artesiano, ou então na compra de água em caminhões. A existência de rede de esgoto evita a construção de fossa séptica para os operários e também para a futura residência. Ao verificar a existência de rede elétrica no local, observe se há fiação aérea, que em alguns locais poderá vir enterrada. Lembre-se de, antes de construir, quando solicitar ligação à concessionária, informar à mesma sobre a potência a ser instalada no canteiro de obra e na futura construção.

• Topografia -- O terreno deve preferencialmente ser plano, com leve inclinação para a rua em locais onde a drenagem urbana for eficiente. Certifique-se com a vizinhança se não ocorrem alagamentos em dias de chuva. Na escolha de terrenos em aclive (inclinados acima do nível da rua) ou em declive (inclinados abaixo do nível da rua), considere na fase de execução de sua obra, os gastos com movimento de terra (corte e aterro) e alvenaria de contenção.

• Tipo de solo -- Verifique se o solo é resistente e capaz de suportar o prédio a ser construído, evitando assim, a utilização de uma fundação de alto custo. Execute uma sondagem, para saber o perfil do terreno, outra alternativa é consultar a vizinhança, diligencie no sentido de saber se nas construções contíguas existem fissuras nas paredes, qual o tipo de fundação utilizada.

• Orientação -- Dentro de uma mesma quadra, com vários lotes, dê preferência aquele lote que mais recebe a luz do sol e ventilação. Lembre-se de que aqui no hemisfério sul a face nobre é a Norte, os ambientes mais importantes devem ser voltados para esta orientação para economizar em energia elétrica, nos aparelhos de ar condicionado e propiciar melhor conforto térmico.

• Legislação -- Consulte o Código de Obras e Zoneamento do município, que versa sobre recuos e número máximo de pavimentos, bem como a possibilidade ou não de futuras desapropriações. Lembre-se, que dados técnicos como recuos e número máximo de pavimentos, serão limitantes para que um profissional legalmente habilitado faça o seu projeto.

Autor: Eng. Civil Eugênio Pacelli de B. Silveira Eng. Civil executor de obras civis e reformas, orçamentista em licitações públicas e privadas. Autor da planilha eletrônica de composição de preços unitários para construção civil

<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 Próximo > Fim >>
Página 2 de 6